A Medicina Nuclear é uma especialidade da Medicina que emprega substâncias radioativas com finalidade diagnóstica e/ou terapêutica.

As terapias ou os exames de Medicina Nuclear não são dolorosos e não prejudicam a saúde. Ao contrário, seus benefícios são inúmeros, pois geralmente detectam ou tratam as doenças de forma precoce, aumentando as suas chances de cura.

Na televisão, quando o assunto se relaciona a material radioativo geralmente se noticia algo causador de acidentes horríveis, quase sempre fatais e poucas vezes falam sobre os benefícios que a radioatividade pode proporcionar aos seres humanos. A Medicina Nuclear é uma das aplicações mais importantes e mais benéficas da energia nuclear.

“A Medicina Nuclear está para a Fisiologia como a Radiologia está para a Anatomia”. Ela permite permite observar o estado fisiológico dos tecidos de forma não invasiva, através da marcação de moléculas participantes nesses processos com marcadores radioativos, que demonstram sua localização através da emissão de raios gama.

Esta especialidade médica utiliza pequenas quantidades de materiais radioativos para o diagnóstico e o tratamento de doenças. A quantidade de radiação utilizada no paciente é tão pequena, que não faz mal nem a um rescém nascido.

A Medicina Nuclear tem contribuído muito para avanços das terapias e nos diagnósticos de diversas outras áreas da Medicina, tais como a a Oncologia, Endocrinologia, a Reumatologia , a Ortopedia, a Nefrologia, a Urologia, a Ginecologia, a Cardiologia,a Hematologia , a Neurologia, a Psiquiatria e a Neurocirurgia.